As litanias de Satã (2)

Print Friendly, PDF & Email

As litanias de Satã (2) (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Paulo Cesar Pimentel

Ó tu, o anjo sublime, ó fonte de esplendores,
Deus que a sorte privou de agrados e louvores,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Ó Príncipe do exílio a quem traição furtiva,
Venceu, e que manténs a fronte sempre altiva,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que tudo prevês, soberano do Inferno,
Que consolas o horror do sofrimento eterno,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que os párias mais vis, os leprosos, fizeste
Alcançar pelo amor a ventura celeste,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Ó tu que junto a Morte, a tua velha amante,
A Esperança criaste, esquiva e fascinante!

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que insuflas ao réu o olhar calmo e elevado
Que humilha um povo inteiro aos pés de um condenado,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que sabes da terra os lugares distantes
Onde Deus escondeu lindas pedras faiscantes,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que vês claramente os negros arsenais,
Onde dorme escondido o mundo dos metais,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que escondes o abismo, o fundo precipício,
Ao sonâmbulo errando à beira do edifício,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu, que aparas o choque e amortece o abalo
Do bêbado que cai nas patas de um cavalo,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que, a fim de acalmar o homem fraco que sofre,
Nos fizestes juntar o salitre ao enxofre,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que marcas na fronte, ó cúmplice sutil,
O Creso sem remorso, entre feroz e vil,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Tu que pões da mulher na alma indecisa e vaga
A paixão do farrapo e a devoção da chaga,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria!

Amparo do proscrito, archote do inventor,
Confessor do enforcado e do Conspirador,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria !

Ó Pai espiritual daqueles desgraçados
Que foram pelo Padre Eterno escorraçados,

Tem piedade, ó Satã, desta longa miséria !

Publicações relacionadas

Ofélia Ofélia (Arthur Rimbaud) Tradução de Jorge Wanderley ...
De que cor? De que cor? (Nicolás Guillén) De...
Se Se (Paulo Leminski) se nem for terra se trans for mar.
Por entre o Beberibe, e o Ocea... Por entre o Beberibe, e o Oceano (Gregório de Matos) Por entre o Beberibe, e...

Deixe uma resposta