Luminares

Print Friendly, PDF & Email

Luminares (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Paulo Cesar Pimentel

Rubens, mansa corrente embaladora e calma,
Coxim de carne sã que não se pode amar,
Mas onde corre a vida e onde se agita uma alma,
Como o vento no céu e as ondas sobre o mar.

Leonardo da Vinci, espelho amplo e profundo
Onde anjos, que no olhar sereno e meigo encobrem
A sombra de um mistério, aparecem fundo
Dos gelos e pinhais que sua pátria cobrem;

Rembrant, triste hospital todo cheio de ruídos
E que uma grande cruz decora unicamente,
Onde da lama vil sobe a prece em gemidos
E onde um raio de luz penetra bruscamente;

Miquel Angelo, vago espaço onde aparecem
Cristos e Hércules, como espectros destacados
Na luz morta de um poente, entre as sombras que crescem,
rasgando seu sudário em seus dedos crispados;

Puget, imperador tristonho de forçados,
Homem pálido e fraco, imenso na vaidade,
Tu que achastes a beleza entre os vis renegados,
Nos seus gestos de raiva e de lubricidade;

Watteau, um carnaval que figuras ilustres,
Gráceis, adornam quais borboletas brilhantes,
Vivas decorações fulgindo à luz que os lustres
Numa loucura alegre espalham rutilantes;

Goya, negra visão, coisas mal definidas,
Fantástica reunião de figuras que assustam,
velhas vendo-se ao espelho e meninas despidas
Que, tentando Satã, seus adornos ajustam;

Delcroix, rubro lago à sombra dos pinhais,
Pelos anjos do mal, errantes, frequentado,
Onde os longínquos sons de fanfarras triunfais
Passam como um suspiro angustioso, abafado;

Toda essa procissão de blasfêmias, de prantos,
De gritos de ânsia e dor, de queixas, de orações,
É um eco que rediz um som em mil recantos,
É um ópio benfazejo em nossos corações!

É um brado repetido entre mil sentinelas,
Um clamor que se expande e cresce e dilata;
É o brilho de um farol sobre mil cidadelas,
A voz de um caçador perdido em densa mata!

Pois é, seguramente, ó Deus, a melhor prova
Que nós possamos dar de nossa dignidade,
Essa angústia sem fim que sempre se renova
E vem morrer aos pés da vossa eternidade!

Publicações relacionadas

Enquanto a chuva cai Enquanto a chuva cai (Manuel Bandeira) A chuva cai. O ar fica mole . . . Ind...
Essas coisas Essas coisas (Carlos Drummond de Andrade) “Você não está na idade de sofrer ...
Azul ou verde ou roxo Azul ou verde ou roxo (Fernando Pessoa) Azul, ou verde, ou roxoquando o sol ...
Em lugar de uma carta Em lugar de uma carta (Vladmir Maiakowski) ...

Deixe uma resposta