A um poeta

Print Friendly, PDF & Email

A um poeta (Antero de Quental)

de Sonetos

(surge et ambula)

Tu que dormes, espírito sereno,
Posto à sombra dos cedros seculares,
Como um levita à sombra dos altares,
Longe da luta e do fragor terreno.

Acorda! É tempo! O sol, já alto e pleno
Afugentou as larvas tumulares…
Para surgir do seio desses mares
Um mundo novo espera só um aceno…

Escuta! É a grande voz das multidões!
São teus irmãos, que se erguem! São canções…
Mas de guerra… e são vozes de rebate!

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,
E dos raios de luz do sonho puro,
Sonhador, faze espada de combate!

Publicações relacionadas

Barcarola Barcarola (Augusto dos Anjos) Barcarola Cantam nautas, choram flautas Pel...
Coração frio Coração frio (Augusto dos Anjos) Frio o sagrado coração da lua, Teu coração ...
Intimidade Intimidade (Antero de Quental) Quando, sorrindo, vais passando, e toda Essa...
Meninos carvoeiros Meninos carvoeiros (Manuel Bandeira) Os meninos carvoeiros Passam a caminho ...

Deixe uma resposta