Idílio

Print Friendly, PDF & Email

Idílio (Antero de Quental)

de Sonetos

Quando nós vamos ambos, de mãos dadas,
Colher nos vales lírios e boninas,
E galgamos dum fôlego as colinas
Dos rocios da noite inda orvalhadas;

Ou, vendo o mar das ermas cumeadas
Contemplamos as nuvens vespertinas,
Que parecem fantásticas ruínas
Ao longo, no horizonte, amontoadas:

Quantas vezes, de súbito, emudeces!
Não sei que luz no teu olhar flutua;
Sinto tremer-te a mão e empalideces

O vento e o mar murmuram orações,
E a poesia das coisas se insinua
Lenta e amorosa em nossos corações.

Publicações relacionadas

Cancion del mariquita Cancion del mariquita (Federico Garcia Lorca) El mariquita se peina en su p...
Autoretrato Autoretrato (Pablo Neruda) Por mi parte, soy o creo ser duro de nariz, mí...
Creio Creio (Alberto Caeiro) Creio que irei morrer. Mas o sentido de morrer n...
Costernados, raivosos Costernados, raivosos (Mario Benedetti) Do livr...

Deixe uma resposta