Idílio

Print Friendly, PDF & Email

Idílio (Antero de Quental)

de Sonetos

Quando nós vamos ambos, de mãos dadas,
Colher nos vales lírios e boninas,
E galgamos dum fôlego as colinas
Dos rocios da noite inda orvalhadas;

Ou, vendo o mar das ermas cumeadas
Contemplamos as nuvens vespertinas,
Que parecem fantásticas ruínas
Ao longo, no horizonte, amontoadas:

Quantas vezes, de súbito, emudeces!
Não sei que luz no teu olhar flutua;
Sinto tremer-te a mão e empalideces

O vento e o mar murmuram orações,
E a poesia das coisas se insinua
Lenta e amorosa em nossos corações.

Publicações relacionadas

Quero fazer os poemas das cois... Quero fazer os poemas das coisas materiais (Walt Whitman) Quero fazer os poem...
Retratos Retratos (Antonio Machado) Mi infancia son recuerdos de un patio de Sevilla...
O que diz a morte O que diz a morte (Antero de Quental) Deixai-os vir a mim, os que lidaram; D...
Cristais Cristais (Augusto dos Anjos) Mais claro e fino do que as finas pratas ...

Deixe uma resposta