Quem cá quiser viver, seja um Gatão

Print Friendly, PDF & Email

Quem cá quiser viver, seja um Gatão (Gregório de Matos)

Se souberas falar também falarás
também satirizaras, se souberas,
e se foras poeta, poetaras.

Cansado de vos pregar
cultíssimas profecias,
quero das culteranias
hoje o hábito enforcar:
de que serve arrebentar,
por quem de mim não tem mágoa?
Verdades direi como água,
porque todos entendais
os ladinos, e os boçais
a Musa praguejadora.
Entendeis-me agora?

Permiti, minha formosa,
que esta prosa envolta em verso
de um Poeta tão perverso
se consagre a vosso pé,
pois rendido à vossa fé
sou já Poeta converso

Mas amo por amar, que é liberdade.

Publicações relacionadas

Soledades Soledades (Mario Benedetti) Ellos tienen razón esa felicidad al menos con...
Post mortem Post mortem (Augusto dos Anjos) Quando do amor das Formas inefáveis ...
Galope Galope (Rafael Alberti) Las tierras, las tierras, las tierras de España, la...
Dia Dia (Adélia Prado) As galinhas com susto abrem o bico e param daquele jeito ...

Deixe uma resposta