Quem cá quiser viver, seja um Gatão

Print Friendly, PDF & Email

Quem cá quiser viver, seja um Gatão (Gregório de Matos)

Se souberas falar também falarás
também satirizaras, se souberas,
e se foras poeta, poetaras.

Cansado de vos pregar
cultíssimas profecias,
quero das culteranias
hoje o hábito enforcar:
de que serve arrebentar,
por quem de mim não tem mágoa?
Verdades direi como água,
porque todos entendais
os ladinos, e os boçais
a Musa praguejadora.
Entendeis-me agora?

Permiti, minha formosa,
que esta prosa envolta em verso
de um Poeta tão perverso
se consagre a vosso pé,
pois rendido à vossa fé
sou já Poeta converso

Mas amo por amar, que é liberdade.

Publicações relacionadas

O mapa O mapa (Mário Quintana) Olho o mapa da cidade Como quem examinasse A anatom...
Los Espejos Los Espejos (Jorge Luis Borges) Yo que sentí el horror de los espejos no só...
Amor e Crença Amor e Crença (Augusto dos Anjos) E sê bendita! H. Sienkiewicz Sabes que ...
Trégua Trégua (Adélia Prado) Hoje estou velha como quero ficar Sem nenhuma estridên...

Deixe uma resposta