Soneto da Fidelidade

Print Friendly, PDF & Email

Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa (me) dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Publicações relacionadas

Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...
Supreme Convulsion Supreme Convulsion (Augusto dos Anjos) O equilíbrio do humano pensamento Sof...
Romance del emplazado Romance del emplazado (Federico Garcia Lorca) Para E...
Quando em teu colo deitei a ca... Quando em teu colo deitei a cabeça, meu camarada (Walt Whitman) ...

Deixe uma resposta