Soneto da Fidelidade

Print Friendly, PDF & Email

Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa (me) dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Publicações relacionadas

Mucho más grave Mucho más grave (Mario Benedetti) Todas las parcelas de mi vida tienen algo t...
José José (Carlos Drummond de Andrade) E agora, José? A festa acabou, a luz apag...
É Noite É Noite (Alberto Caeiro) É noite. A noite é muito escura. Numa casa a uma gra...
O meu Olhar O meu Olhar 2 (Alberto Caeiro) De O...

Deixe uma resposta