Digo sim

Print Friendly, PDF & Email

Digo sim (Ferreira Gullar)

Poderia dizer
que a vida é bela, e muito,
e que a revolução caminha com pés de flor
nos campos do meu país,
com pés de borracha
nas grandes cidades brasileiras
e que meu coração
é um sol de esperanças entre pulmões
e nuvens

Poderia dizer que meu povo
é uma festa só na voz de
Clara Nunes
no rodar
das cabrochas no carnaval
da Avenida.
Mas não. O poeta mente.

A vida nós amassamos em sangue
e samba
enquanto gira inteira a noite
sobre a pátria desigual. A vida
nós a fazemos nossa
alegre e triste, cantando
em meio à fome
e dizendo sim
– em meio à violência e a solidão dizendo
sim –
pelo espanto de beleza
pela fama de Tereza
pelo meu filho perdido
neste vasto continente
por Vianinha ferido
pelo nosso irmão caído

pelo amor e o que ele nega
pelo que dá e que cega
pelo que virá enfim,
não digo que a vida é bela
tampouco me nego a ela:
– digo sim

Publicações relacionadas

Anelo Anelo (Johann Wofgang von Goethe) Tradução de Manuel Bandeira Só aos sáb...
A Máscara do Mal A Máscara do Mal (Bertold Brecht) Em minha parede há uma escultura de madeira...
Essas coisas Essas coisas (Carlos Drummond de Andrade) “Você não está na idade de sofrer ...
Canção para uma valsa lenta Canção para uma valsa lenta (Mário Quintana) Minha vida não foi um romance......

Deixe uma resposta