Vencido

Print Friendly, PDF & Email

Vencido (Augusto dos Anjos)

No auge de atordoadora e ávida sanha
Leu tudo, desde o mais prístino mito,
Por exemplo: o do boi Ápis do Egito
Ao velho Niebelungen da Alemanha.

Acometido de uma febre estranha
Sem o escândalo fônico de um grito,
Mergulhou a cabeça no Infinito,
Arrancou os cabelos na montanha!

Desceu depois à gleba mais bastarda,
Pondo a áurea insígnia heráldica da farda
A vontade do vômito plebeu…

E ao vir-lhe o cuspo diário à boca fria
O vencido pensava que cuspia
Na célula infeliz de onde nasceu.

Publicações relacionadas

Subversiva Subversiva (Ferreira Gullar) A poesia quando chega não respeita nada. Nem ...
Mundo Grande Mundo Grande (Carlos Drummond de Andrade) Não, meu coração não é maior que o ...
Tecendo a Manhã Tecendo a Manhã (João Cabral de Melo Neto) A ...
Luminares Luminares (Charles Pierre Baudelaire) Tra...

Deixe uma resposta