Vencido

Print Friendly, PDF & Email

Vencido (Augusto dos Anjos)

No auge de atordoadora e ávida sanha
Leu tudo, desde o mais prístino mito,
Por exemplo: o do boi Ápis do Egito
Ao velho Niebelungen da Alemanha.

Acometido de uma febre estranha
Sem o escândalo fônico de um grito,
Mergulhou a cabeça no Infinito,
Arrancou os cabelos na montanha!

Desceu depois à gleba mais bastarda,
Pondo a áurea insígnia heráldica da farda
A vontade do vômito plebeu…

E ao vir-lhe o cuspo diário à boca fria
O vencido pensava que cuspia
Na célula infeliz de onde nasceu.

Publicações relacionadas

Folhas de Rosa Folhas de Rosa (Florbela Espanca) Todas as prendas que me deste, um dia, Gua...
Tres recuerdos del cielo Tres recuerdos del cielo (Rafael Alberti) H...
Passei Toda a Noite Passei Toda a Noite (Alberto Caeiro) Passei toda a noite, sem dormir...
Memorándum Memorándum (Mario Benedetti) Uno llegar e incorporarse el día Dos respirar ...

Deixe uma resposta