Disaires da formosura

Print Friendly, PDF & Email

Disaires da formosura (Gregório de Matos)

Rubi, concha de perlas peregrina,
Animado cristal, viva escarlata,
Duas safiras sobre lisa prata,
Ouro encrespado sobre prata fina.
Este o rostinho é de Caterina;
E porque docemente obriga e mata,
Não livra o ser divina em ser ingrata
E raio a raio os corações fulmina.
Viu Fábio uma tarde transportado
Bebendo admirações, e galhardias
A quem já tanto amor levantou aras:
Disse igualmente amante e magoado:
Ah muchacha gentil, que tal serias
Se sendo tão formosa não cagaras!

Publicações relacionadas

Toada sem alcool Toada sem alcool (Mário de Andrade) ... Ninguém sabe da solitude Que enche ...
Abat-Jour Abat-Jour (Fernando Pessoa) A lâmpada acesa (Outrem a acendeu) Baixa uma ...
Síndrome Síndrome (Mario Benedetti) Do livro "Inventár...
Menina e moça Menina e moça(Machado de Assis) A Ernesto Cibrão Está naquela i...

Deixe uma resposta