Disaires da formosura

Print Friendly, PDF & Email

Disaires da formosura (Gregório de Matos)

Rubi, concha de perlas peregrina,
Animado cristal, viva escarlata,
Duas safiras sobre lisa prata,
Ouro encrespado sobre prata fina.
Este o rostinho é de Caterina;
E porque docemente obriga e mata,
Não livra o ser divina em ser ingrata
E raio a raio os corações fulmina.
Viu Fábio uma tarde transportado
Bebendo admirações, e galhardias
A quem já tanto amor levantou aras:
Disse igualmente amante e magoado:
Ah muchacha gentil, que tal serias
Se sendo tão formosa não cagaras!

Publicações relacionadas

Invocação Invocação (Álvares de Azevedo) Variações em todas as cordas I Alma de f...
Mas eu, em cuja alma se reflet... Mas eu, em cuja alma se refletem (Álvaro de Campos) Mas eu, em cuja alma se r...
Aqui onde se espera Aqui onde se espera (Fernando Pessoa) Aqui onde se espera - Sossego, só sos...
Os Estatutos do Homem Os Estatutos do Homem (Thiago de Mello (Ato Institucional Permanente) ...

Deixe uma resposta