Trova

Print Friendly, PDF & Email

Trova (Mário Quintana)

A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,
Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.
Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali…
Chegamos de muito longe, de alma aberta e o coração cantando!

Publicações relacionadas

Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Canção II Canção II (Cecília Meireles) Quero um dia para chorar. Mas a vida vai tão d...
Tres recuerdos del cielo Tres recuerdos del cielo (Rafael Alberti) H...
Infâncias Infâncias (Mario Benedetti) Do livro "Pergun...

Deixe uma resposta