A água chia no púcaro que elevo à boca

Print Friendly, PDF & Email

A água chia no púcaro que elevo à boca (Alberto Caeiro)

A água chia no púcaro que elevo à boca.
«É um som fresco» diz-me quem me dá a bebê-la.
Sorrio. O som é só um som de chiar.
Bebo a água sem ouvir nada com a minha garganta.

Publicações relacionadas

O céu O céu (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Wenceslau de Queiroz Por...
Só (Florbela Espanca) Eu tenho pena da Lua! Tanta pena, coitadinha, Quando ...
Ilusão Ilusão (Augusto dos Anjos) Dizes que sou feliz. Não mentes. Dizes Tudo que s...
Depois da Orgia Depois da Orgia (Augusto dos Anjos) O prazer que na orgia a hetaíra goza Pro...

Deixe uma resposta