Ao longe, ao luar

Print Friendly, PDF & Email

Ao longe, ao luar (Fernando Pessoa)

Ao longe, ao luar,
No rio uma vela,
Serena a passar,
Que é que me revela ?

Não sei, mas meu ser
Tornou-se-me estranho,
E eu sonho sem ver
Os sonhos que tenho.

Que angústia me enlaça ?
Que amor não se explica ?
É a vela que passa
Na noite que fica.

Publicações relacionadas

2º Soneto à morte de Afonsos B... 2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca (Gregório de Matos) Alma genti...
À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...
Bilhete Bilhete (Mário Quintana) Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões, não fal...
Revista Verde REVISTA VERDE Uma publicação modernista nascida no interior de Minas. A...

Deixe uma resposta