O Lázaro da Pátria

Print Friendly, PDF & Email

O Lázaro da Pátria (Augusto dos Anjos)

Filho podre de antigos Goitacases,
Em qualquer parte onde a cabeça ponha,
Deixa circunferências de peçonha,
Marcas oriundas de úlceras e antrazes.

Todos os cinocéfalos vorazes
Cheiram seu corpo. À noite, quando sonha,
Sente no tórax a pressão medonha
Do bruto embate férreo das tenazes,

Mostra aos montes e aos rígidos rochedos
A hedionda elefantíasis dos dedos…
Há um cansaço no Cosmos… Anoitece,

Riem as meretrizes no Casino,
E o Lázaro caminha em seu destino
Para um fim que ele mesmo desconhece!

Publicações relacionadas

Intimidade Intimidade (Mario Benedetti) Tradução Sonhamos juntos juntos despertamos ...
Ai daqueles Ai daqueles (Paulo Leminski) Ai daqueles Que se amaram sem nenhuma briga Aq...
Mundo Grande Mundo Grande (Carlos Drummond de Andrade) Não, meu coração não é maior que o ...
Aos caramurus da Bahia Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos) Um calção de pindoba à meia zorra ...

Deixe uma resposta