O Lamento das Coisas

Print Friendly, PDF & Email

O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos)

Triste, a escutar, pancada por pancada,
A sucessividade dos segundos,
Ouço, em sons subterrâneos, do Orbe oriundos,
O choro da Energia abandonada!

É a dor da Força desaproveitada
— O cantochão dos dínamos profundos,
Que, podendo mover milhões de mundos,
jazem ainda na estática do Nada!

É o soluço da forma ainda imprecisa…
Da transcendência que se não realiza…
Da luz que não chegou a ser lampejo…

E é em suma, o subconsciente ai formidando
Da Natureza que parou, chorando,
No rudimentarismo do Desejo!

Publicações relacionadas

O Deus-Verme O Deus-Verme (Augusto dos Anjos) Factor universal do transformismo. Filho da...
Viagem de um vencido Viagem de um vencido (Augusto dos Anjos) Noite. Cruzes na estrada. Aves com f...
No interminável No interminável (Paul Verlaine) No interminável Tédio da planície A neve, i...
Puente Puente (Nicolás Guillén) De Odas Mínimas ¿Lejos? ...

Deixe uma resposta