A alcova

Print Friendly, PDF & Email

A alcova (Fernando Pessoa)

Desce não se por onde
Até não me encontrar.
Ascende um leve fumo
Das minhas sensações.
Deixo de me incluir
Dentro de mim. Não há
Cá-dentro nem lá-fora.

E o deserto está agora
Virado para baixo.

A noção de mover-me
Esqueceu-se do meu nome.
Na alma meu corpo pesa-me.
Sinto-me um reposteiro
Pendurado na sala
Onde jaz alguém morto.

Qualquer coisa caiu
E tiniu no infinito.

Publicações relacionadas

Natureza Íntima Natureza Íntima (Augusto dos Anjos) Ao filósofo Farias Brito Cansada de obse...
Pranto para comover Jonathan Pranto para comover Jonathan (Adélia Prado) Os diamantes são indestrutíveis? ...
Intimidade Intimidade (Antero de Quental) Quando, sorrindo, vais passando, e toda Essa...
A dor A dor (Cruz e Souza) Torva Babel das lágrimas, dos gritos, Dos so...

Deixe uma resposta