A alcova

Print Friendly, PDF & Email

A alcova (Fernando Pessoa)

Desce não se por onde
Até não me encontrar.
Ascende um leve fumo
Das minhas sensações.
Deixo de me incluir
Dentro de mim. Não há
Cá-dentro nem lá-fora.

E o deserto está agora
Virado para baixo.

A noção de mover-me
Esqueceu-se do meu nome.
Na alma meu corpo pesa-me.
Sinto-me um reposteiro
Pendurado na sala
Onde jaz alguém morto.

Qualquer coisa caiu
E tiniu no infinito.

Publicações relacionadas

Reyerta Reyerta (Federico Garcia Lorca) En la mitad del barranco las navajas de Alba...
Leituras machadianas Leituras machadianas(Machado de Assis) ...
O Utopista O Utopista (Murilo Mendes) Ele acredita que o chão é duro Que todos os homen...
Madona da Tristeza Madona da Tristeza (Cruz e Souza) Quando te escuto e te olho reverente E sin...

Deixe uma resposta