A alcova

Print Friendly, PDF & Email

A alcova (Fernando Pessoa)

Desce não se por onde
Até não me encontrar.
Ascende um leve fumo
Das minhas sensações.
Deixo de me incluir
Dentro de mim. Não há
Cá-dentro nem lá-fora.

E o deserto está agora
Virado para baixo.

A noção de mover-me
Esqueceu-se do meu nome.
Na alma meu corpo pesa-me.
Sinto-me um reposteiro
Pendurado na sala
Onde jaz alguém morto.

Qualquer coisa caiu
E tiniu no infinito.

Publicações relacionadas

A um poeta A um poeta (Antero de Quental) d...
No alto No alto(Machado de Assis) O poeta chegara ao alto da montanha, E quando ia...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - VI (Oscar Wilde) CAPÍTULO VI Daí a dez minutos, a s...
A un olmo seco A un olmo seco (Antonio Machado) Al olmo viejo, hendido por el rayo y en su ...

Deixe uma resposta