A alcova

Print Friendly, PDF & Email

A alcova (Fernando Pessoa)

Desce não se por onde
Até não me encontrar.
Ascende um leve fumo
Das minhas sensações.
Deixo de me incluir
Dentro de mim. Não há
Cá-dentro nem lá-fora.

E o deserto está agora
Virado para baixo.

A noção de mover-me
Esqueceu-se do meu nome.
Na alma meu corpo pesa-me.
Sinto-me um reposteiro
Pendurado na sala
Onde jaz alguém morto.

Qualquer coisa caiu
E tiniu no infinito.

Publicações relacionadas

Gozo os Campos Gozo os Campos (Alberto Caeiro) Gozo os campos sem reparar para eles. ...
O Deus-Verme O Deus-Verme (Augusto dos Anjos) Factor universal do transformismo. Filho da...
Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...
A Dança da Psiquê A Dança da Psiquê (Augusto dos Anjos) A dança dos encéfalos acesos Começa. A...

Deixe uma resposta