A alcova

Print Friendly, PDF & Email

A alcova (Fernando Pessoa)

Desce não se por onde
Até não me encontrar.
Ascende um leve fumo
Das minhas sensações.
Deixo de me incluir
Dentro de mim. Não há
Cá-dentro nem lá-fora.

E o deserto está agora
Virado para baixo.

A noção de mover-me
Esqueceu-se do meu nome.
Na alma meu corpo pesa-me.
Sinto-me um reposteiro
Pendurado na sala
Onde jaz alguém morto.

Qualquer coisa caiu
E tiniu no infinito.

Publicações relacionadas

À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...
Comumente é assim Comumente é assim (Vladmir Maiakowski) Cada um ao nascer traz sua dose de a...
Pálida Inocência Pálida Inocência (Álvares de Azevedo) Cette image du ciel - innocence et beau...
Solidões Solidões (Mario Benedetti) Tradução Eles tem razão essa felicidade ao me...

Deixe uma resposta