Correspondências

Print Friendly, PDF & Email

Correspondências (Charles Pierre Baudelaire)

A natureza é um templo em que vivas pilastras
deixam sair às vezes obscuras palavras;
o homem a percorre através de florestas de símbolos
que o observam com olhares familiares.
Como longos ecos que de longe se confundem
numa tenebrosa e profunda unidade,
vasta como a noite e como a claridade,
os perfumes, as cores e os sons se correspondem.
Há perfumes saudáveis como carnes de crianças,
doces como os oboés, verdes como as campinas,
e outros, corrompidos, ricos e triunfantes,

tendo a efusão das coisas infinitas,
como o âmbar, o almíscar, o benjoim e o incenso,
que cantam os êxtases do espírito e dos sentidos.

( BAUDELAIRE, Charles, Oeuvres complétes. Paris,
Oallimard, Bibliothèque de la Pléiade, 1966.)

Nota:Trata-se de tradução livre, pois o soneto,
com esquema de rima ABBA nos quartetos e
CDC/DEE nos terceiros, está expresso
em versão alexandrinos.

Publicações relacionadas

Bate a luz no cimo… Bate a luz no cimo... (Fernando Pessoa) Bate a luz no cimo Da montanha, vê....
O que quer dizer O que quer dizer (Paulo Leminski) O que quer dizer, diz. Não fica fazendo ...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...
Os bilhetes por favor Os bilhetes por favor (David Hebert Lawrence) Há no centro da Inglat...

Deixe uma resposta