O Poeta do Hediondo

Print Friendly, PDF & Email

O Poeta do Hediondo (Augusto dos Anjos)

Tinha no olhar cetíneo, aveludado,
A chama cruel que arrasta os corações,
Os seios rijos eram dois brasões
Onde fulgia o simb’lo do Pecado.

Bela, divina, o porte emoldurado
No mármore sublime dos contornos,
Os seios brancos, palpitantes, mornos,
Dançavam-lhe no colo perfumado.

No entanto, esta mulher de grã beleza,
Moldada pela mão da Natureza,
Tornou-se a pecadora vil. Do fado,

Do destino fatal, presa, morria
Uma noute entre as vascas da agonia
Tendo no corpo o verme do pecado!

Publicações relacionadas

As horas pela alameda As horas pela alameda (Fernando Pessoa) As horas pela alameda Arrastam ve...
O Próprio Ser eu Canto O Próprio Ser eu Canto (Walt Whitman) O próprio se eu canto: canto a pessoa...
Ignoto Deo Ignoto Deo (Antero de Quental) Que belleza mortal se te assemelha, Ó sonhad...
Torre de ouro Torre de ouro (Cruz e Souza) Desta torre desfraldam-se altaneiras, ...

Deixe uma resposta