O Poeta do Hediondo

Print Friendly, PDF & Email

O Poeta do Hediondo (Augusto dos Anjos)

Tinha no olhar cetíneo, aveludado,
A chama cruel que arrasta os corações,
Os seios rijos eram dois brasões
Onde fulgia o simb’lo do Pecado.

Bela, divina, o porte emoldurado
No mármore sublime dos contornos,
Os seios brancos, palpitantes, mornos,
Dançavam-lhe no colo perfumado.

No entanto, esta mulher de grã beleza,
Moldada pela mão da Natureza,
Tornou-se a pecadora vil. Do fado,

Do destino fatal, presa, morria
Uma noute entre as vascas da agonia
Tendo no corpo o verme do pecado!

Publicações relacionadas

A Um Epilético A Um Epilético (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! — ao suor que te un...
Descobrimento Descobrimento (Mário de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Paulo Na min...
Nox Nox (Antero de Quental) de Sonet...
Fundación mítica de Buenos Air... Fundación mítica de Buenos Aires (Jorge Luis Borges) ¿Y fue por este río de s...

Deixe uma resposta