O Pântano

Print Friendly, PDF & Email

O Pântano (Augusto dos Anjos)

No alheamento da obscura forma humana,
De que, pensando, me desencarcero,
Foi que eu, num grito de emoção, sincero
Encontrei, afinal, o meu Nirvana!

Nessa manumissão schopenhauereana,
Onde a Vida do humano aspecto fero
Se desarraiga, eu, feito força, impero
Na imanência da Idéa Soberana!

Destruída a sensação que oriunda fora
Do tacto — ínfima antena aferidora
Destas tegumentárias mãos plebéas —

Gozo o prazer, que os anos não carcomem,
De haver trocado a minha forma de homem
Pela imortalidade das Idéas!

Publicações relacionadas

A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...
O cônego Filipe O cônego Filipe (Álvares de Azevedo) O cônego Filipe! Ó nome eterno! Cinzas...
Que assim te afague… Que assim te afague... (Johann Wofgang von Goethe) Que assim te afague, ó meu...
Leituras machadianas Leituras machadianas(Machado de Assis) ...

Deixe uma resposta