Pecadora

Print Friendly, PDF & Email

Pecadora (Augusto dos Anjos)

Arte ingrata! E conquanto, em desalento,
A órbita elipsoidal dos olhos lhe arda,
Busca exteriorizar o pensamento
Que em suas fronetais células guarda!

Tarda-lhe a idéa! A inspiração lhe tarda!
E ei-lo a tremer, rasga o papel, violento,
Como o soldado que rasgou a farda
No desespero do último momento!

Tenta chorar e os olhos sente enxutos!…
É como o paralítico que, à mingua
Da própria voz e na que ardente o lavra

Febre de em vão falar, com os dedos brutos
Para falar, puxa e repuxa a língua,
E não lhe vem à boca uma palavra!

Publicações relacionadas

Elegia a Jacques Roumain no cé... Elegia a Jacques Roumain no céu de Haití (Nicolás Guillén) ...
Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...
Quase Quase (Mário de Sá Carneiro) Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco m...
Que assim te afague… Que assim te afague... (Johann Wofgang von Goethe) Que assim te afague, ó meu...

Deixe uma resposta