Casamento

Print Friendly, PDF & Email

Casamento (Adélia Prado)

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
e faz o gesto com a mão.

O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

Publicações relacionadas

Balada feroz Balada feroz (Vinicius de Moraes Canta uma esperança desatinada para que enfu...
Pardalzinho Pardalzinho (Manuel Bandeira) O pardalzinho nasceu Livre. Quebraram-lhe a as...
Modinha do Empregado de Banco Modinha do Empregado de Banco (Murilo Mendes) Eu sou triste como um prático d...
Preceito 05 Preceito 05 (Gregório de Matos) Vamos ao quinto preceito, Santo Antônio v...

Deixe uma resposta