Alda

Print Friendly, PDF & Email

Alda (Augusto dos Anjos)

Alva, do alvor das límpidas geleiras,
Desta ressumbra candidez de aromas…
Parece andar em nichos e redomas
De Virgens medievais que foram freiras.

Alta, feita no talhe das palmeiras,
A coma de ouro, com o cetim das comas,
Branco esplendor de faces e de pomas
Lembra ter asas e asas condoreiras.

Pássaros, astros, cânticos, incensos
Formam-lhe aureoles, sóis, nimbos imensos
Em torno a carne virginal e rara.

Alda fez meditar nas monjas alvas,
Salvas do Vicio e do Pecado salvas,
Amortalhadas na pureza clara.

Publicações relacionadas

Como Bem Sei Como Bem Sei (Bertold Brecht) Como bem sei Os impuros viajam para o inferno ...
Ser Poeta Ser Poeta (Florbela Espanca) Do Livro Charneca em...
Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...
Perfume exótico Perfume exótico (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Osório Dutra Quan...

Deixe uma resposta