Post mortem

Print Friendly, PDF & Email

Post mortem (Augusto dos Anjos)

Quando do amor das Formas inefáveis
No teu sangue apagar-se a imensa chama,
Quando os brilhos estranhos e variáveis
Esmorecerem nos troféus da Fama.

Quando as níveas Estrelas invioláveis,
Doce velário que um luar derrama,
Nas clareiras azuis ilimitáveis
Clamarem tudo o que o teu Verso clama.

Já terás para os báratros descido,
Nos cilícios da Morte revestido,
Pés e faces e mãos e olhos gelados…

Mas os teus Sonhos e Visões e Poemas
Pelo alto ficarão de eras supremas
Nos relevos do Sol eternizados!

Publicações relacionadas

Anelo Anelo (Johann Wofgang von Goethe) Tradução de Manuel Bandeira Só aos sáb...
Adultos Adultos (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carre...
Em meio à multidão Em meio à multidão (Walt Whitman) Em meio à multidão de homens e mulheres do...
Confiança Confiança (David Hebert Lawrence) Tradução de Leon...

Deixe uma resposta