Acho tão Natural que não se Pense

Print Friendly, PDF & Email

Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Acho tão natural que não se pense
Que me ponho a rir às vezes, sozinho,
Não sei bem de quê, mas é de qualquer cousa
Que tem que ver com haver gente que pensa …
Que pensará o meu muro da minha sombra?
Pergunto-me às vezes isto até dar por mim
A perguntar-me cousas. . .
E então desagrado-me, e incomodo-me
Como se desse por mim com um pé dormente. . .

Que pensará isto de aquilo?
Nada pensa nada.
Terá a terra consciência das pedras e plantas que tem?
Se ela a tiver, que a tenha…
Que me importa isso a mim?
Se eu pensasse nessas cousas,
Deixaria de ver as árvores e as plantas
E deixava de ver a Terra,
Para ver só os meus pensamentos …
Entristecia e ficava às escuras.
E assim, sem pensar tenho a Terra e o Céu.

Publicações relacionadas

Bicarbonato de Soda Bicarbonato de Soda (Álvaro de Campos) Súbita uma angústia... Ah que angústi...
Uma cidade tão nobre Uma cidade tão nobre (Gregório de Matos) Uma cidade tão nobre, ...
Afetos Afetos (Augusto dos Anjos) Bendito o amor que infiltra n’alma o enleio E san...
A vida esse parêntese A vida esse parêntese (Mario Benedetti) Do l...

Deixe uma resposta