Canzón de Cuna Pra Rosalia Castro, Morta

Print Friendly, PDF & Email

Canzón de Cuna Pra Rosalia Castro, Morta (Federico Garcia Lorca)

Seis Poemas Galegos (1935)

¡ÉRGUETE, miña amiga,
que xa cantan os galos do día!
¡Érgute, miña amada,
porque o vento muxe, coma unha vaca!

Os arados van e vên
dende Santiago a Belén.

Dende Belén a Santiago
un anxo ven en un barco.
un barco de prata fina
que traia a door de Galicia.

Galicia deitada e queda
transida de tristes herbas.
Herbas que cobren téu leito,
e a negra fonte dos teus cabelos.
Cabelos que van ao mar
onde as nubens teñen seu nídio pombal.

¡Érguete, miña amiga,
que xa cantan os galos do día!
¡Érgute, miña amada,
porque o vento muxe, coma unha vaca!

Publicações relacionadas

Cantada Cantada (Ferreira Gullar) Você é mais bonita que uma bola prateada De papel...
Pedrinhas na janela Pedrinhas na janela (Mario Benedetti) Do liv...
Uma criatura Uma criatura(Machado de Assis) Sei de uma criatura antiga e formidável, Qu...
Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...

Deixe uma resposta