Coito

Print Friendly, PDF & Email

Coito (Ferreira Gullar)

Todos os movimentos
do amor
são noturnos
mesmo quando praticados
à luz do dia

Vem de ti o sinal
no cheiro ou no tato
que faz acordar o bicho
em seu fôsso:
na treva, lento,
se desenrola
e deslisa
em direção a teu sorriso

Hipnotiza-te
com seu guizo
envolve-te
em seus anéis
corredios
beija-te
a boca em flor
e por baixo
com seu esporão
te fende te fode
e se fundem
no gôzo
depois
desenfia-se de ti
a teu lado
na cama
recupero minha forma usual.

Publicações relacionadas

Adiamento Adiamento (Fernando Pessoa) Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã... Le...
Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Expectativas Expectativas (Mario Benedetti) Do livro "Per...
Lento mas vem Lento mas vem (Mario Benedetti) Do livro "Pe...

Deixe uma resposta