Muito mais grave

Print Friendly, PDF & Email

Muito mais grave (Mario Benedetti)

Tradução

Todas as partes de minha vida tem algo teu
e isso na verdade não é nada extraordinário
vós o sabeis tão objetivamente como eu
no entanto há algo que gostaria de esclarecer
quando digo todas as partes
não me refiro só a isto de agora
a isto de esperar-te e aleluia encontrar-te
e caramba perder-te
e voltar a encontrar
e oxalá nada mais
não me refiro só a que de pronto digas
vou chorar
e eu com um discreto nó na garganta
bom, chores
e que um lindo aguaceiro invisível nos ampare
e quiçá por isto saia em seguida o sol
nem me refiro só a que dia após dia
aumente o estoque de nossas pequenas
e decisivas cumplicidades
ou que eu possa ou crer que possa
converter meus reveses em vitórias
ou me faças o terno presente
de tua mais recente desesperação
não
a coisa muitíssimo mais grave
quando digo todas as partes
quero dizer que além desse doce cataclisma
também estas reescrevendo minha infância
essa idade em que dizemos coisas adultas e
solenes
e os solenes adultos não comemoram
e vós ao contrário sabeis que isso não serve
quero dizer que estais rearmando minha adolescência
esse tempo em que fui um velho carregado de receios
e vós sabeis ao contrário extrair desse deserto
meu germem de alegria e presenteá-lo mirando-o
quero dizer que estás sucumbindo minha juventude
esse cântaro que ninguém nunca tomou em suas mãos
essa sombra que ninguém aproximou a sua sombra
e vós ao contrário sabeis estremecê-la
até que comecem a cair as folhas secas
e fique a armação de minha verdade sem proezas
quero dizer que estás abraçando minha maturidade
esta mistura de estupor e experiência
este estranho confim de angústia e neve
esta vela que ilumina a morte
este precipício da pobre vida
como vês é mais grave
muitíssimo mais grave
porque com estas ou com outras palavras
quero dizer que não sóis tão só
a querida menina que sois
e também as esplêndidas
ou cautelosas mulheres
que quis ou quero
porque graças a vós terei descoberto
(dirás já era hora
e com razão)
que o amor é uma baía linda e generosa
que se ilumina e se escurece
de acordo com a vida
uma baía onde os barcos
chegam e se vão
chegam com pássaros e augúrios
e se vão com sirenes e nuvens carregadas
uma baía linda e generosa
onde os barcos chegam
e se vão
mas vós
por favor
não te vás.

Publicações relacionadas

Cantares… Cantares... (Antonio Machado) Todo pasa y todo queda, pero lo nuestro es pas...
A uma senhora que me pediu ver... A uma senhora que me pediu versos(Machado de Assis) Pensa em ti mesma, acha...
Felicidade clandestina (trecho... Felicidade clandestina(Clarice Lispecto) " Às vezes sentava-se na rede, bal...
Canto de regresso à patria Canto de regresso à patria (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares ...

Deixe uma resposta