A Geramano Meirelles

Print Friendly, PDF & Email

A Geramano Meirelles (Antero de Quental)

de Sonetos

Só males são reais, só dor existe:
Prazeres só os gera a fantasia;
Em nada[, um] imaginar, o bem consiste,
Anda o mal em cada hora e instante e dia.

Se buscamos o que é, o que devia
Por natureza ser não nos assiste;
Se fiamos num bem, que a mente cria,
Que outro remédio há [aí] senão ser triste?

Oh! Quem tanto pudera que passasse
A vida em sonhos só. E nada vira…
Mas, no que se não vê, labor perdido!

Quem fora tão ditoso que olvidasse…
Mas nem seu mal com ele então dormira,
Que sempre o mal pior é ter nascido!

Publicações relacionadas

Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...
Preceito 01 Preceito 01 (Gregório de Matos) Que de quilombos que tenho com mestres su...
Razão de ser Razão de ser (Paulo Leminski) Escrevo. E pronto. Escrevo porque preciso. ...
Visão da morte Visão da morte (Cruz e Souza) Olhos voltados para mim e abertos O...

Deixe uma resposta