Clearly Non-Campos!

Print Friendly, PDF & Email

Clearly Non-Campos! (Álvaro de Campos)

Não sei qual é o sentimento, ainda inexpresso,
Que subitamente, como uma sufocação, me aflige
O coração que, de repente,
Entre o que se vive, se esquece.
Não sei qual é o sentimento
Que me desvia do caminho,
Que me dá de repente
Um nojo daquilo que seguia,
Uma vontade de nunca chegar a casa,
Um desejo de indefinido.
Um desejo lúcido de indefinido.

Quatro vezes mudou a ‘stação falsa
No falso ano, no imutável curso
Do tempo conseqüente;
Ao verde segue o seco, e ao seco o verde,
E não sabe ninguém qual é o primeiro,
Nem o último e acabam.

Publicações relacionadas

A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Se é lei, que rege o escuro pensamento, S...
Ai daqueles Ai daqueles (Paulo Leminski) Ai daqueles Que se amaram sem nenhuma briga Aq...
Decadência Decadência (Augusto dos Anjos) Iguais às linhas perpendiculares Caíram, como...
Abismo Abismo (Fernando Pessoa) Olho o Tejo, e de tal arte Que me esquece olhar ...

Deixe uma resposta