Leve

Print Friendly, PDF & Email

Leve (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Leve, leve, muito leve,
Um vento muito leve passa,
E vai-se, sempre muito leve.
E eu não sei o que penso
Nem procuro sabê-lo.

Publicações relacionadas

Autopsicografia Autopsicografia (Fernando Pessoa) O poeta é um fingidor. Finge tã...
Nunca Sei Nunca Sei (Alberto Caeiro) Nunca sei como é que se pode achar um poente tr...
Soneto do Amigo Soneto do Amigo (Vinicius de Moraes Enfim, depois de tanto erro passado Tant...
Vencido Vencido (Augusto dos Anjos) No auge de atordoadora e ávida sanha Leu tudo, d...

Deixe uma resposta