Não me Importo com as Rimas

Print Friendly, PDF & Email

Não me Importo com as Rimas (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Não me importo com as rimas.Raras vezes
Há duas árvores iguais, uma ao lado da outra.
Penso e escrevo como as flores têm cor
Mas com menos perfeição no meu modo de exprimir-me
Porque me falta a simplicidade divina
De ser todo só o meu exterior
Olho e comovo-me,
Comovo-me como a água corre quando o chão é inclinado,
E a minha poesia é natural como o levantar-se vento…

Publicações relacionadas

El puñal El puñal (Jorge Luis Borges) En un cajón hay un puñal. Fue forjado en Toled...
Problemas del subdesarrollo Problemas del subdesarrollo (Nicolás Guillén) De...
Lisbon revisited (1926) Lisbon revisited (1926) (Álvaro de Campos) Nada me prende a nada. Quero cin...
Explicação de poesia sem ningu... Explicação de poesia sem ninguém pedir (Adélia Prado) Um trem-de-ferro é uma ...

Deixe uma resposta