No Claustro

Print Friendly, PDF & Email

No Claustro (Augusto dos Anjos)

Pelas do claustro salas silenciosas
De lutulentas, úmidas arcadas,
Na vastidão silente das caladas
Abóbodas sombrias tenebrosas,

Vagueiam tristemente desfiladas
De freiras e de monjas tristurosas,
Que guardam cinzas de ilusões passadas,
Que guardam pér’las de funéreas rosas.

E à noute quando rezam na clausura,
No sigilo das rezas misteriosas,
Nem a sombra mais leve de ventura!

Sempre as arcadas ogivais, desnudas,
E as mesmas monjas sempre tristurosas,
E as mesmas portas impassíveis, mudas!

Publicações relacionadas

Se Eu Morresse Amanhã! Se Eu Morresse Amanhã! (Alvares Azevedo) Se eu morresse amanhã, viria ao meno...
Idílio Idílio (Antero de Quental) de So...
Dobrada à moda do porto Dobrada à moda do porto (Álvaro de Campos) Um dia, num restaurante, fora do e...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta