No Claustro

Print Friendly, PDF & Email

No Claustro (Augusto dos Anjos)

Pelas do claustro salas silenciosas
De lutulentas, úmidas arcadas,
Na vastidão silente das caladas
Abóbodas sombrias tenebrosas,

Vagueiam tristemente desfiladas
De freiras e de monjas tristurosas,
Que guardam cinzas de ilusões passadas,
Que guardam pér’las de funéreas rosas.

E à noute quando rezam na clausura,
No sigilo das rezas misteriosas,
Nem a sombra mais leve de ventura!

Sempre as arcadas ogivais, desnudas,
E as mesmas monjas sempre tristurosas,
E as mesmas portas impassíveis, mudas!

Publicações relacionadas

Octavio Paz: o último mandarim... Octavio Paz: o último mandarim intelectual (Octavio Paz) Tradução de Ma...
Canto da estrada real – ... Canto da estrada real - 05 (Walt Whitman) Traduçã...
As Montanhas As Montanhas (Augusto dos Anjos) I Das nebulosas em que te emaranhas Leva...
Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...

Deixe uma resposta