No Claustro

Print Friendly, PDF & Email

No Claustro (Augusto dos Anjos)

Pelas do claustro salas silenciosas
De lutulentas, úmidas arcadas,
Na vastidão silente das caladas
Abóbodas sombrias tenebrosas,

Vagueiam tristemente desfiladas
De freiras e de monjas tristurosas,
Que guardam cinzas de ilusões passadas,
Que guardam pér’las de funéreas rosas.

E à noute quando rezam na clausura,
No sigilo das rezas misteriosas,
Nem a sombra mais leve de ventura!

Sempre as arcadas ogivais, desnudas,
E as mesmas monjas sempre tristurosas,
E as mesmas portas impassíveis, mudas!

Publicações relacionadas

Eu … Eu ... (Florbela Espanca) Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que n...
A um poeta Saxônio A um poeta Saxônio (Jorge Luis Borges) Tradução Tu cuja carne, hoje disper...
Cartas de meu avô Cartas de meu avô (Manuel Bandeira) A tarde cai, por demais Erma, úmida e si...
A balada da água do mar A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca) ...

Deixe uma resposta