Versos de um coveiro

Print Friendly, PDF & Email

Versos de um coveiro (Augusto dos Anjos)

Numerar sepulturas e carneiros,
Reduzir carnes podres a algarismos,
Tal é, sem complicados silogismos,
A aritmética hedionda dos coveiros!

Um, dois, três, quatro, cinco… Esoterismos
Da Morte! E eu vejo, em fúlgidos letreiros,
Na progressão dos números inteiros
A gênese de todos os abismos!

Oh! Pitágoras da última aritmética,
Continua a contar na paz ascética
Dos tábidos carneiros sepulcrais

Tíbias, cérebros, crânios, rádios e úmeros,
Porque, infinita como os próprios números
A tua conta não acaba mais!

Publicações relacionadas

Flor do mar Flor do mar (Augusto dos Anjos) És da origem do mar, vens do secreto, ...
Là-Bas, Je ne sais où… Là-Bas, Je ne sais où... (Álvaro de Campos) Véspera de viagem, campainha... ...
Problemas del subdesarrollo Problemas del subdesarrollo (Nicolás Guillén) De...
Chove. Há silêncio, porque a m... Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa) Chove. Há silênci...

Deixe uma resposta