Ápice

Print Friendly, PDF & Email

Ápice (Mário de Sá Carneiro)

O raio do sol da tarde
Que uma janela perdida
Refletiu
Num instante indiferente —
Arde,
Numa lembrança esvaída,
À minha memória de hoje
Subitamente…

Seu efêmero arrepio
Ziguezagueia, ondula, foge,
Pela minha retentiva…
— E não poder adivinhar
Porque mistério se me evoca
Esta idéia fugitiva,
Tão débil que mal me toca!…

— Ah, não sei porquê, mas certamente
Aquele raio cadente
Alguma coisa foi na minha sorte
Que a sua projeção atravessou…

Tanto segredo no destino de uma vida…

É como a idéia de Norte,
Preconcebida,
Que sempre me acompanhou…

Publicações relacionadas

Flor do mar Flor do mar (Cruz e Souza) És da origem do mar, vens do secreto, ...
Quero quero Quero quero (Manuel Bandeira) Quero a solidão dos píncaros A água da fonte e...
Uma cidade tão nobre Uma cidade tão nobre (Gregório de Matos) Uma cidade tão nobre, ...
Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...

Deixe uma resposta