Ápice

Print Friendly, PDF & Email

Ápice (Mário de Sá Carneiro)

O raio do sol da tarde
Que uma janela perdida
Refletiu
Num instante indiferente —
Arde,
Numa lembrança esvaída,
À minha memória de hoje
Subitamente…

Seu efêmero arrepio
Ziguezagueia, ondula, foge,
Pela minha retentiva…
— E não poder adivinhar
Porque mistério se me evoca
Esta idéia fugitiva,
Tão débil que mal me toca!…

— Ah, não sei porquê, mas certamente
Aquele raio cadente
Alguma coisa foi na minha sorte
Que a sua projeção atravessou…

Tanto segredo no destino de uma vida…

É como a idéia de Norte,
Preconcebida,
Que sempre me acompanhou…

Publicações relacionadas

Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...
Negro bembón Negro bembón (Nicolás Guillén) De Motivos de Son ...
A água chia no púcaro que elev... A água chia no púcaro que elevo à boca (Alberto Caeiro) A água chia no p...
Primavera Primavera (Augusto dos Anjos) ...

Deixe uma resposta