Ápice

Print Friendly, PDF & Email

Ápice (Mário de Sá Carneiro)

O raio do sol da tarde
Que uma janela perdida
Refletiu
Num instante indiferente —
Arde,
Numa lembrança esvaída,
À minha memória de hoje
Subitamente…

Seu efêmero arrepio
Ziguezagueia, ondula, foge,
Pela minha retentiva…
— E não poder adivinhar
Porque mistério se me evoca
Esta idéia fugitiva,
Tão débil que mal me toca!…

— Ah, não sei porquê, mas certamente
Aquele raio cadente
Alguma coisa foi na minha sorte
Que a sua projeção atravessou…

Tanto segredo no destino de uma vida…

É como a idéia de Norte,
Preconcebida,
Que sempre me acompanhou…

Publicações relacionadas

Murmúrio Murmúrio (Cecília Meireles) Traze-me um pouco das sombras serenas que as nu...
O conselheiro na crônica do br... O conselheiro na crônica do bruxo(Machado de Assis) ...
Impressionista Impressionista (Adélia Prado) Uma ocasião, meu pai pintou a casa toda de ...
Caranguejola Caranguejola (Mário de Sá Carneiro) Ah, que me metam entre cobertores, E nã...

Deixe uma resposta