Noturno

Print Friendly, PDF & Email

Noturno (Antero de Quental)

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a Lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento…

Como um canto longínquo – triste e lento-
Que voga e sutilmente se insinua,
Sobre o meu coração que tumultua,
Tu vestes pouco a pouco o esquecimento…

A ti confio o sonho em que me leva
Um instinto de luz, rompendo a treva,
Buscando. entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o meu mal sem nome,
A febre de Ideal, que me consome,
Tu só, Gênio da Noite, e mais ninguém!

Publicações relacionadas

N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...
Trégua Trégua (Adélia Prado) Hoje estou velha como quero ficar Sem nenhuma estridên...
Thamar y Amnón Thamar y Amnón (Federico Garcia Lorca) A las cinco de la tarde. Eran las ci...
Feito Adão de manhã cedo Feito Adão de manhã cedo (Walt Whitman) Feito Adão de manhã cedo deixando o ...

Deixe uma resposta