Noturno

Print Friendly, PDF & Email

Noturno (Antero de Quental)

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a Lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento…

Como um canto longínquo – triste e lento-
Que voga e sutilmente se insinua,
Sobre o meu coração que tumultua,
Tu vestes pouco a pouco o esquecimento…

A ti confio o sonho em que me leva
Um instinto de luz, rompendo a treva,
Buscando. entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o meu mal sem nome,
A febre de Ideal, que me consome,
Tu só, Gênio da Noite, e mais ninguém!

Publicações relacionadas

As mãos de Deus As mãos de Deus (David Hebert Lawrence) Coisa terrível é cair nas mãos do D...
Manhã de embriaguez Manhã de embriaguez (Arthur Rimbaud) Ó meu Bem! Ó meu Belo! Fanfarra atroz em...
Saudade Saudade (Augusto dos Anjos) Hoje que a mágoa me apunhala o seio, E o coração...
Descobrimento Descobrimento (Carlos Drummond de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Pau...

Deixe uma resposta