Satã

Print Friendly, PDF & Email

Satã (Cruz e Souza)

Capro e revel, com os fabulosos cornos
Na fronte real de rei dos reis vetustos,
Com bizarros e lúbricos contornos,
Ei-lo Satã dentre os Satãs augustos.

Por verdes e por báquicos adornos
Vai c’roado de pâmpanos venustos
O deus pagão dos Vinhos acres, mornos,
Deus triunfador dos triunfadores justos.

Arcangélico e audaz, nos sóis radiantes,
A púrpura das glórias flamejantes,
Alarga as asas de relevos bravos…

O Sonho agita-lhe a imortal cabeça…
E solta aos sóis e estranha e ondeada e espessa
Canta-lhe a juba dos cabelos flavos!

Publicações relacionadas

Pregão Pregão (Mario Benedetti) Tradução Senhor que não me olha olhe um pouco e...
Digo que não sou um homem puro... Digo que não sou um homem puro (Nicolás Guillén) ...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
Canção I Canção I (Cecília Meireles) Nunca eu tivera querido dizer palavras tão louc...

Deixe uma resposta