Satã

Print Friendly, PDF & Email

Satã (Cruz e Souza)

Capro e revel, com os fabulosos cornos
Na fronte real de rei dos reis vetustos,
Com bizarros e lúbricos contornos,
Ei-lo Satã dentre os Satãs augustos.

Por verdes e por báquicos adornos
Vai c’roado de pâmpanos venustos
O deus pagão dos Vinhos acres, mornos,
Deus triunfador dos triunfadores justos.

Arcangélico e audaz, nos sóis radiantes,
A púrpura das glórias flamejantes,
Alarga as asas de relevos bravos…

O Sonho agita-lhe a imortal cabeça…
E solta aos sóis e estranha e ondeada e espessa
Canta-lhe a juba dos cabelos flavos!

Publicações relacionadas

Assim, sem nada feito e o por ... Assim, sem nada feito e o por fazer (Fernando Pessoa) Assim, sem nada feito e...
Aurora Aurora (Adolfo Casais Monteiro) A poesia não é voz - é uma inflexão. Dizer,...
Presa do ódio Presa do ódio (Cruz e Souza) Da tu'alma na funda galeria Descendo às vezes, ...
Muito mais grave Muito mais grave (Mario Benedetti) Tradução Todas as partes de minha vida ...

Deixe uma resposta