Anseio

Print Friendly, PDF & Email

Anseio (Augusto dos Anjos)

Quem sou eu, neste ergástulo das vidas
Danadamente, a soluçar de dor?!
– Trinta trilhões de células vencidas,
Nutrindo uma efeméride interior.

Branda, entanto, a afagar tantas feridas,
A áurea mão taumatúrgica do Amor
Traça, nas minhas formas carcomidas,
A estrutura de um mundo superior!

Alta noite, esse mundo incoerente
Essa elementaríssima semente
Do que hei de ser, tenta transpor o Ideal…

Grita em meu grito, alarga-se em meu hausto,
E, ai! como eu sinto no esqueleto exausto
Não poder dar-lhe vida material!

Publicações relacionadas

Meu Desejo Meu Desejo (Álvares de Azevedo) Meu desejo? Era ser a luva branca Que essa t...
Octavio Paz: o último mandarim... Octavio Paz: o último mandarim intelectual (Octavio Paz) Tradução de Ma...
Pedrinhas na janela Pedrinhas na janela (Mario Benedetti) Do liv...
Trégua Trégua (Adélia Prado) Hoje estou velha como quero ficar Sem nenhuma estridên...

Deixe uma resposta