Festival

Print Friendly, PDF & Email

Festival (Augusto dos Anjos)

Para Jônatas Costa

Címbalos soam no salão. O dia
Foge, e ao compasso de arrabis serenos
A valsa rompe, em compassados trenos
Sobre os veludos da tapeçaria.

Estatuetas de mármore de Lemnos
Estão dispostas numa simetria
Inconfundível, recordando a estria
Dos corpos níveos de Afrodite e Vênus.

Fulgem por entre mil cristais vermelhos
O alvo cristal dos nítidos espelhos
E a seda verde dos arbustos glabros.

E em meio às refrações verdes e hialinas,
Vibra, batendo em todas as retinas,
A incandescência irial dos candelabros.

Publicações relacionadas

Tabacaria Tabacaria (Álvaro de Campos) Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso qu...
O que Nós Vemos O que Nós Vemos (Alberto Caeiro) De...
Aquela Senhora tem um Piano Aquela Senhora tem um Piano (Alberto Caeiro) ...
Este é o prólogo Este é o prólogo (Federico Garcia Lorca) (7 de a...

Deixe uma resposta