Festival

Print Friendly, PDF & Email

Festival (Augusto dos Anjos)

Para Jônatas Costa

Címbalos soam no salão. O dia
Foge, e ao compasso de arrabis serenos
A valsa rompe, em compassados trenos
Sobre os veludos da tapeçaria.

Estatuetas de mármore de Lemnos
Estão dispostas numa simetria
Inconfundível, recordando a estria
Dos corpos níveos de Afrodite e Vênus.

Fulgem por entre mil cristais vermelhos
O alvo cristal dos nítidos espelhos
E a seda verde dos arbustos glabros.

E em meio às refrações verdes e hialinas,
Vibra, batendo em todas as retinas,
A incandescência irial dos candelabros.

Publicações relacionadas

Cogitação Cogitação (Cruz e Souza) Ah! mas então tudo será baldado?! Tudo desfeito e t...
Um homem com uma dor Um homem com uma dor (Paulo Leminski) um homem com uma dor é muito ma...
Sobre a violência Sobre a violência (Bertold Brecht) A corrente impetuosa é chamada de violenta...
Encontro de rua Encontro de rua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Paulo César Pimente...

Deixe uma resposta