Festival

Print Friendly, PDF & Email

Festival (Augusto dos Anjos)

Para Jônatas Costa

Címbalos soam no salão. O dia
Foge, e ao compasso de arrabis serenos
A valsa rompe, em compassados trenos
Sobre os veludos da tapeçaria.

Estatuetas de mármore de Lemnos
Estão dispostas numa simetria
Inconfundível, recordando a estria
Dos corpos níveos de Afrodite e Vênus.

Fulgem por entre mil cristais vermelhos
O alvo cristal dos nítidos espelhos
E a seda verde dos arbustos glabros.

E em meio às refrações verdes e hialinas,
Vibra, batendo em todas as retinas,
A incandescência irial dos candelabros.

Publicações relacionadas

Elegia Elegia (Nicolás Guillén) De "El ...
Essas coisas Essas coisas (Carlos Drummond de Andrade) “Você não está na idade de sofrer ...
Quem faz a História Quem faz a História (Bertold Brecht) Quem construiu a Tebas das sete portas? ...
Noite de São João Noite de São João (Alberto Caeiro) Noite de S. João para além do muro do meu...

Deixe uma resposta