Festival

Print Friendly, PDF & Email

Festival (Augusto dos Anjos)

Para Jônatas Costa

Címbalos soam no salão. O dia
Foge, e ao compasso de arrabis serenos
A valsa rompe, em compassados trenos
Sobre os veludos da tapeçaria.

Estatuetas de mármore de Lemnos
Estão dispostas numa simetria
Inconfundível, recordando a estria
Dos corpos níveos de Afrodite e Vênus.

Fulgem por entre mil cristais vermelhos
O alvo cristal dos nítidos espelhos
E a seda verde dos arbustos glabros.

E em meio às refrações verdes e hialinas,
Vibra, batendo em todas as retinas,
A incandescência irial dos candelabros.

Publicações relacionadas

Das coisas Das coisas (Paulo Leminski) que eu fiz a metro todos saberão quantos quilôm...
Os antigos invocavam as Musas Os antigos invocavam as Musas (Álvaro de Campos) Os antigos invocavam as Musa...
Bacanal Bacanal (Manuel Bandeira) Quero beber! cantar asneiras No esto brutal das be...
A Noite Desce A Noite Desce (Alberto Caeiro) A noite desce, o calor soçobra um pouco...

Deixe uma resposta