Soube

Print Friendly, PDF & Email

Soube (Bertold Brecht)

Soube que
Nas praças dizem de mim que durmo mal
Meus inimigos, dizem, já estão assentando casa
Minhas mulheres põem seus vestidos bons
Em minha ante-sala esperam pessoas
Conhecidas como amigas dos infelizes.
Logo
Ouvirão que não como mais
Mas uso novos ternos
Mas o pior é: eu mesmo
Observo que me tornei
Mais duro com as pessoas.

Publicações relacionadas

Os formais e o frio Os formais e o frio (Mario Benedetti) Do livr...
A Um Mascarado A Um Mascarado (Augusto dos Anjos) Rasga esta máscara ótima de seda E atira-...
A la muerte de Rubén Darío A morte de Rubén Darío (Antonio Machado) Si era toda en tu verso la armonía d...
Elegia quase uma ode Elegia quase uma ode (Vinicius de Moraes I Choro. Choro atrozmente, como os...

Deixe uma resposta