Salário

Print Friendly, PDF & Email

Salário (Mario Benedetti)

Do livro “Poemas do escritório”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Aquela esperança que cabia em um dedal,
aquele degrau da calçada junto à lama,
aquele ir e vir do sono,
aquele horóscopo de uma longuíssima viagem
e a longuíssima viagem com adeuses e gente
e países de neve e corações
onde cada quilômetro é um céu diferente,
aquela confiança de não sei quando,
aquela jura até não sei onde,
aquela cruzada até não sei o quê,
esse aquele que a gente podia ter sido
com outro ritmo e uma loteria,
enfim, para dizê-lo de uma vez por todas,
aquela esperança que cabia em um dedal
evidentemente não cabe neste envelope
com papéis sujos de tantas mãos sujas
que me pagam, é lógico, a cada vinte e nove
por ter os livros rubricados em dia e
deixar que a vida transcorra,
pingando simplesmente
como um azeite velho.

Publicações relacionadas

Bárbaro Bárbaro (Mário de Sá Carneiro) Enroscam-se-lhe ao trono as serpentes doiradas...
Arte de Amar Arte de Amar (Thiago de Mello Não faço poemas como quem chora, nem faço ver...
Há Metafísica Bastante em Não ... Há Metafísica Bastante em Não Pensar em Nada (Alberto Caeiro) ...
A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Se é lei, que rege o escuro pensamento, S...

Deixe uma resposta