Da Minha Aldeia

Print Friendly, PDF & Email

Da Minha Aldeia (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Da minha aldeia veio quanto da terra se pode ver no Universo…
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não, do tamanho da minha altura…

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe
de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos
nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.

Publicações relacionadas

Confusão do festejo do entrudo... Confusão do festejo do entrudo (Gregório de Matos) Filhós, fatias, sonhos, ma...
Dialética Dialética (Vinicius de Moraes É claro que a vida é boa E a alegria, a única...
A uma prostituta respeitosa A uma prostituta respeitosa (Walt Whitman) Tranquilize-se, fique à vontade co...
Sinto Sinto (Federico Garcia Lorca) (1921)...

Deixe uma resposta