Vladmir_Maiakowski

Comumente é assim

Print Friendly, PDF & Email

Comumente é assim (Vladmir Maiakowski)

Cada um ao nascer
traz sua dose de amor,
mas os empregos,
o dinheiro,
tudo isso,
nos resseca o solo do coração.
Sobre o coração levamos o corpo,
sobre o corpo a camisa,
mas isto é pouco.
alguém
imbecilmente
inventou os punhos
e sobre os peitos
fez correr o amido de engomar.
Quando velhos se arrependem.
A mulher se pinta.
O homem faz ginástica
pelo sistema Muller.
Mas é tarde.
A pele enche-se de rugas.
O amor floresce,
floresce,
e depois desfolha

Publicações relacionadas

A Cachoeira A Cachoeira (Castro Alves) MAS SÚBITO da noite no arrepio Um mugido soturno ...
Como Bem Sei Como Bem Sei (Bertold Brecht) Como bem sei Os impuros viajam para o inferno ...
Versos Versos (Antero de Quental) (escritos num exemplar das...
Menina e moça Menina e moça(Machado de Assis) A Ernesto Cibrão Está naquela i...

Deixe uma resposta