Vladmir_Maiakowski

Comumente é assim

Print Friendly, PDF & Email

Comumente é assim (Vladmir Maiakowski)

Cada um ao nascer
traz sua dose de amor,
mas os empregos,
o dinheiro,
tudo isso,
nos resseca o solo do coração.
Sobre o coração levamos o corpo,
sobre o corpo a camisa,
mas isto é pouco.
alguém
imbecilmente
inventou os punhos
e sobre os peitos
fez correr o amido de engomar.
Quando velhos se arrependem.
A mulher se pinta.
O homem faz ginástica
pelo sistema Muller.
Mas é tarde.
A pele enche-se de rugas.
O amor floresce,
floresce,
e depois desfolha

Publicações relacionadas

Abdicação Abdicação (Fernando Pessoa) Toma-me, ó noite eterna, nos teus braços E cham...
Pedrinhas na janela Pedrinhas na janela (Mario Benedetti) Do liv...
Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...
Preceito 10 Preceito 10 (Gregório de Matos) Graças a Deus que cheguei a coroar meus d...

Deixe uma resposta