Judia

Print Friendly, PDF & Email

Judia (Cruz e Souza)

Ah! Judia! Judia impenitente!
De erma e de turva região sombria
De areia fulva, bárbara, inclemente,
Numa desolação, chegaste um dia…

Través o céu mais tórrido, mais quente,
Onde a luz mais flamívoma radia,
A voz dos teus, nostálgica, plangente,
Vibrou, chorou, clamou por ti, Judia!

Ave de melancólicos mistérios,
Ruflaste as asas por Azuis sidérios,
Ébria dos vícios célebres que salvam…

Para alguns corações que ainda te buscam
És como os sóis que rútilos coruscam
E a torva terra do deserto escalvam!

Publicações relacionadas

El puñal El puñal (Jorge Luis Borges) En un cajón hay un puñal. Fue forjado en Toled...
Aos caramurus da Bahia Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos) Um calção de pindoba à meia zorra ...
Los Ojos Los Ojos (Antonio Machado) Cuando murió su amada pensó en hacerse viejo e...
Impossível Impossível (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Ca...

Deixe uma resposta