Judia

Print Friendly, PDF & Email

Judia (Cruz e Souza)

Ah! Judia! Judia impenitente!
De erma e de turva região sombria
De areia fulva, bárbara, inclemente,
Numa desolação, chegaste um dia…

Través o céu mais tórrido, mais quente,
Onde a luz mais flamívoma radia,
A voz dos teus, nostálgica, plangente,
Vibrou, chorou, clamou por ti, Judia!

Ave de melancólicos mistérios,
Ruflaste as asas por Azuis sidérios,
Ébria dos vícios célebres que salvam…

Para alguns corações que ainda te buscam
És como os sóis que rútilos coruscam
E a torva terra do deserto escalvam!

Publicações relacionadas

Solitário Solitário (Augusto dos Anjos) Como um fantasma que se refugia Na solidão da ...
A gleba me transfigura A gleba me transfigura (Cora Coralina) Sinto que sou abelha no seu artesanato...
Modinha do Empregado de Banco Modinha do Empregado de Banco (Murilo Mendes) Eu sou triste como um prático d...
Madrigal à cibdá de Santiago Madrigal à cibdá de Santiago (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...

Deixe uma resposta