Velhas tristezas

Print Friendly, PDF & Email

Velhas tristezas (Cruz e Souza)

Diluências de luz, velhas tristezas
Das almas que morreram para a lute!
Sois as sombras amadas de belezas
Hoje mais frias do que a pedra bruta.

Murmúrios incógnitos de gruta
Onde o Mar canta os salmos e as rudezas
De obscuras religiões — voz impoluta
De sodas as titânicas grandezas.

Passai, lembrando as sensações antigas,
Paixões que foram já dóceis amigas,
Na luz de eternos sóis glorificadas.

Alegrias de há tempos! E hoje e agora,
Velhas tristezas que se vão embora
No poente da Saudade amortalhadas!…

Publicações relacionadas

Opiniones Opiniones (Juan Gelman) Do livro "Gotán" Un ...
Lendo Horácio Lendo Horácio (Bertold Brecht) Mesmo o diluvio Não durou eternamente. Veio ...
Octavio Paz: o último mandarim... Octavio Paz: o último mandarim intelectual (Octavio Paz) Tradução de Ma...
Quem me Dera Quem me Dera (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta