Velhas tristezas

Print Friendly, PDF & Email

Velhas tristezas (Cruz e Souza)

Diluências de luz, velhas tristezas
Das almas que morreram para a lute!
Sois as sombras amadas de belezas
Hoje mais frias do que a pedra bruta.

Murmúrios incógnitos de gruta
Onde o Mar canta os salmos e as rudezas
De obscuras religiões — voz impoluta
De sodas as titânicas grandezas.

Passai, lembrando as sensações antigas,
Paixões que foram já dóceis amigas,
Na luz de eternos sóis glorificadas.

Alegrias de há tempos! E hoje e agora,
Velhas tristezas que se vão embora
No poente da Saudade amortalhadas!…

Publicações relacionadas

Vítima do Dualismo Vítima do Dualismo (Augusto dos Anjos) Ser miserável dentre os miseráveis — ...
A um mártir A um mártir (Augusto dos Anjos) Alma em cilício, vem, enrista a clava, Brand...
Solilóquio de um Visionário Solilóquio de um Visionário (Augusto dos Anjos) Para desvirginar o labirinto ...
À Cidade da Bahia À Cidade da Bahia (Gregório de Matos) Triste Bahia! Ó quão dessemelhante Est...

Deixe uma resposta