Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva

Print Friendly, PDF & Email

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa)

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego…
Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece…

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente…

Publicações relacionadas

Minha Finalidade Minha Finalidade (Augusto dos Anjos) Turbilhão teleológico incoercível, Que ...
Il Trovatore Il Trovatore (Augusto dos Anjos) Canta da torre o trovador saudoso - Addio...
Um mancebo no jogo se descora Um mancebo no jogo se descora - Soneto (Álvares de Azevedo) Um mancebo no jog...
Vive Vive (Alberto Caeiro) Vive, dizes, no presente, Vive só no presente. Mas ...

Deixe uma resposta