Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva

Print Friendly, PDF & Email

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa)

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego…
Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece…

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente…

Publicações relacionadas

A alcova A alcova (Fernando Pessoa) Desce não se por onde Até não me encontrar. ...
Terra dos homens I Terra dos homens I (Antoine de Saint-Exupéry) Trechos do livro " Se às vez...
A orillas del Duero A orillas del Duero (Antonio Machado) Mediaba el mes de julio. Era un hermoso...
Irene no céu Irene no céu (Manuel Bandeira) Irene preta Irene boa Irene sempre de bom hu...

Deixe uma resposta