Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva

Print Friendly, PDF & Email

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa)

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego…
Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece…

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente…

Publicações relacionadas

Campos de Soria Campos de Soria (Antonio Machado) I Es la tierra de Soria, árida y fría....
Ara maldita Ara maldita (Augusto dos Anjos) Como um’ave, cindindo os céus risonhos, Meig...
Evolução Evolução (Antero de Quental) de ...
A Bainha do Punhal A Bainha do Punhal (Castro Alves) Fragmento Salve, noites do Oriente, N...

Deixe uma resposta