Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva

Print Friendly, PDF & Email

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa)

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego…
Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece…

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente…

Publicações relacionadas

A Espantosa Realidade das Cous... A Espantosa Realidade das Cousas (Alberto Caeiro) A espantosa realidade...
Pátio Pátio (Jorge Luis Borges) Tradução de...
O nascido depois O nascido depois (Bertold Brecht) ...
Stella (1775, “espetácul... Stella (1775, "espetáculo para amantes") - resumo (Johann Wofgang von Goethe) ...

Deixe uma resposta