De profundis clamavi

Print Friendly, PDF & Email

De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Wenceslau de Queiroz

Exoro-te piedade, imploro-te socorro.
Deste abismo onde jaz meu frio coração,
Onde vivo a morrer, onde a viver eu morro,
Cheia a boca de fel, de horror, de maldição…

É uma região polar que em lágrimas percorro,
Com os pés sobre a neve, o olhar na escuridão,
Que encobre o céu azul, como chumbado forro:
Um país sem calor e sem vegetação.

Acontece porem, que a luz de um sol de gelo
Traspassa alguma vez a escuridão polar,
Como se trespassasse um álgido cutelo…

E sinto em cada fibra um urso branco a uivar,
– Trôpego o passo, o olhar em chamas, hirsuto o pêlo, –
Com fome do teu beijo, arcanjo tutelar!

Publicações relacionadas

Essas coisas Essas coisas (Carlos Drummond de Andrade) “Você não está na idade de sofrer ...
Poema tirado de uma notícia de... Poema tirado de uma notícia de jornal (Manuel Bandeira) João gostoso era carr...
A ponto de partir A ponto de partir (Ana Cristina Cesar) A ponto de partir, já sei que noss...
Opiniones Opiniones (Juan Gelman) Do livro "Gotán" Un ...

Deixe uma resposta