De profundis clamavi

Print Friendly, PDF & Email

De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Wenceslau de Queiroz

Exoro-te piedade, imploro-te socorro.
Deste abismo onde jaz meu frio coração,
Onde vivo a morrer, onde a viver eu morro,
Cheia a boca de fel, de horror, de maldição…

É uma região polar que em lágrimas percorro,
Com os pés sobre a neve, o olhar na escuridão,
Que encobre o céu azul, como chumbado forro:
Um país sem calor e sem vegetação.

Acontece porem, que a luz de um sol de gelo
Traspassa alguma vez a escuridão polar,
Como se trespassasse um álgido cutelo…

E sinto em cada fibra um urso branco a uivar,
– Trôpego o passo, o olhar em chamas, hirsuto o pêlo, –
Com fome do teu beijo, arcanjo tutelar!

Publicações relacionadas

Sonhador Sonhador (Cruz e Souza) Por sóis, por belos sóis alvissareiros, N...
Soledades I Soledades I (Antonio Machado) He andado muchos caminos, (Tenho andado mui...
Tecendo a Manhã Tecendo a Manhã (João Cabral de Melo Neto) A ...
Natureza Íntima Natureza Íntima (Augusto dos Anjos) Ao filósofo Farias Brito Cansada de obse...

Deixe uma resposta