De profundis clamavi

Print Friendly, PDF & Email

De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Wenceslau de Queiroz

Exoro-te piedade, imploro-te socorro.
Deste abismo onde jaz meu frio coração,
Onde vivo a morrer, onde a viver eu morro,
Cheia a boca de fel, de horror, de maldição…

É uma região polar que em lágrimas percorro,
Com os pés sobre a neve, o olhar na escuridão,
Que encobre o céu azul, como chumbado forro:
Um país sem calor e sem vegetação.

Acontece porem, que a luz de um sol de gelo
Traspassa alguma vez a escuridão polar,
Como se trespassasse um álgido cutelo…

E sinto em cada fibra um urso branco a uivar,
– Trôpego o passo, o olhar em chamas, hirsuto o pêlo, –
Com fome do teu beijo, arcanjo tutelar!

Publicações relacionadas

Versos Versos (Antero de Quental) (escritos num exemplar das...
Inconstância dos bens do mundo... Inconstância dos bens do mundo (Gregório de Matos) Nasce o Sol, e não dura ma...
Quando eu Quando eu (Alberto Caeiro) Quando eu não te tinha Amava a Natureza como um ...
Estas Verdades Estas Verdades (Alberto Caeiro) Estas verdades não são perfeitas porque são...

Deixe uma resposta