De profundis clamavi

Print Friendly, PDF & Email

De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Wenceslau de Queiroz

Exoro-te piedade, imploro-te socorro.
Deste abismo onde jaz meu frio coração,
Onde vivo a morrer, onde a viver eu morro,
Cheia a boca de fel, de horror, de maldição…

É uma região polar que em lágrimas percorro,
Com os pés sobre a neve, o olhar na escuridão,
Que encobre o céu azul, como chumbado forro:
Um país sem calor e sem vegetação.

Acontece porem, que a luz de um sol de gelo
Traspassa alguma vez a escuridão polar,
Como se trespassasse um álgido cutelo…

E sinto em cada fibra um urso branco a uivar,
– Trôpego o passo, o olhar em chamas, hirsuto o pêlo, –
Com fome do teu beijo, arcanjo tutelar!

Publicações relacionadas

No meio da noite No meio da noite (Adélia Prado) Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho: se...
Em meio à multidão Em meio à multidão (Walt Whitman) Em meio à multidão de homens e mulheres do...
Canta no espaço a passarada e ... Canta no espaço a passarada e canta - Soneto (Augusto dos Anjos) Canta no esp...
Como eu te amo Como eu te amo (Gonçalves Dias) Como se ama o silêncio, a luz, o aroma, O or...

Deixe uma resposta