O frasco

Print Friendly, PDF & Email

O frasco (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Fontoura Xavier

Há perfumes que em toda a substância material
Se infiltram; até mesmo entranham no cristal.
Às vezes abre-se um cofre hermeticamente
Fechado há anos e um perfume do Oriente,

Evola-se de dentro; outras, em um armário
Esquecido do tempo, antigo relicário,
Acha-se um frasco e nele um olor que revive
A lembrança de alguém que há muito já não vive.

Vaga recordação, simples célula válida
Que ali dormia, toma corpo de crisálida,
Ergue-se e agita em vôo alacre de besouro
Asas tênues, azuis e de lâminas de ouro.

Recordamos então numa penumbra incerta
O prazer ou a dor que o perfume desperta;
Nossa alma agora num ambiente de miasmas
Evoca à vida todo um mundo de fantasmas;

E não raro ressurge entre eles do passado
Há muito embalsamado, Lázaro enterrado,
O cadáver querido, o carinhoso vulto
Do nosso amor extinto, esquecido e sepulto.

Assim, quando eu também for simples relicário
Na memória dos meus, ao fundo de um armário
Macabro de parede, onde talvez com asco
Esqueçam-me partido e inútil como o frasco,

Testemunha da tua força e virulência,
Serei eu teu escrínio, eterna pestilência,
Veneno de mim próprio apodrecido e êsmo,
Morte da minha vida e vida de mim mesmo.

Publicações relacionadas

Máquina alguma de poupar traba... Máquina alguma de poupar trabalho (Walt Whitman) Máquina alguma de poupar tra...
Fuzilamento Fuzilamento (Nicolás Guillén) De...
Na Guerra Muitas Coisas Cresce... Na Guerra Muitas Coisas Crescerão (Bertold Brecht) Ficarão maiores As proprie...
Braços Braços (Cruz e Souza) Braços nervosos, brancas opulências, Brumai...

Deixe uma resposta