O frasco

Print Friendly, PDF & Email

O frasco (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Fontoura Xavier

Há perfumes que em toda a substância material
Se infiltram; até mesmo entranham no cristal.
Às vezes abre-se um cofre hermeticamente
Fechado há anos e um perfume do Oriente,

Evola-se de dentro; outras, em um armário
Esquecido do tempo, antigo relicário,
Acha-se um frasco e nele um olor que revive
A lembrança de alguém que há muito já não vive.

Vaga recordação, simples célula válida
Que ali dormia, toma corpo de crisálida,
Ergue-se e agita em vôo alacre de besouro
Asas tênues, azuis e de lâminas de ouro.

Recordamos então numa penumbra incerta
O prazer ou a dor que o perfume desperta;
Nossa alma agora num ambiente de miasmas
Evoca à vida todo um mundo de fantasmas;

E não raro ressurge entre eles do passado
Há muito embalsamado, Lázaro enterrado,
O cadáver querido, o carinhoso vulto
Do nosso amor extinto, esquecido e sepulto.

Assim, quando eu também for simples relicário
Na memória dos meus, ao fundo de um armário
Macabro de parede, onde talvez com asco
Esqueçam-me partido e inútil como o frasco,

Testemunha da tua força e virulência,
Serei eu teu escrínio, eterna pestilência,
Veneno de mim próprio apodrecido e êsmo,
Morte da minha vida e vida de mim mesmo.

Publicações relacionadas

A Serra do Rola-Moça A Serra do Rola-Moça (Mário de Andrade) A Serra do Rola-Moça Não tinha esse ...
Nimbos Nimbos (Augusto dos Anjos) Nimbos de bronze que empanais escuros O santuário...
Mater Mater (Augusto dos Anjos) Como a crisálida emergindo do ovo Para que o campo...
Se te queres matar Se te queres matar (Álvaro de Campos) Se te queres ma...

Deixe uma resposta