Um morto alegre

Print Friendly, PDF & Email

Um morto alegre (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Paulo Cesar Pimentel

Numa terra sem vida, abandonada e dura,
Quero eu mesmo cavar um buraco profundo,
Onde possa esticar minha velha ossatura
Para dormir tranqüilo, esquecido do mundo.

Odeio o testamento, odeio a sepultura;
A esmolar compaixão como um vil vagabundo,
Antes quisera ver minha carcassa impura,
Ainda viva servir de pasto a um corvo imundo.

Vermes, amigos meus sem olhos, sem ouvidos,
Um morto vos procura alegre e descuidado!
Filhos da podridão asquerosos e tortos

Sem pena percorrei meus restos corrompidos,
E dizei-me se pode ainda ser torturado
Este corpo sem alma e mais morto que os mortos!

Publicações relacionadas

A um Carneiro Morto A um Carneiro Morto (Augusto dos Anjos) Misericordiosíssímo carneiro Esquart...
Páscoa Páscoa (Adélia Prado) Velhice é um modo de sentir frio que me assalta e um...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 10 (Pablo Neruda) Hemos per...
Preceito 08 Preceito 08 (Gregório de Matos) As culpas, que me dão nele, são, que em t...

Deixe uma resposta