Tu, Místico

Print Friendly, PDF & Email

Tu, Místico (Alberto Caeiro)

Tu, místico, vês uma significação em todas as cousas.
Para ti tudo tem um sentido velado.
Há uma cousa oculta em cada cousa que vês.
O que vês, vê-lo sempre para veres outra cousa.
Para mim, graças a ter olhos só para ver,
Eu vejo ausência de significação em todas as cousas;
Vejo-o e amo-me, porque ser uma cousa é não significar nada.
Ser uma cousa é não ser susceptível de interpretação.

Publicações relacionadas

Costernados, raivosos Costernados, raivosos (Mario Benedetti) Do livr...
Ai, Jesus! Ai, Jesus! (Álvares de Azevedo) Ai, Jesus! Não vês que gemo, Que desmaio de ...
Uma Vida e Seu Ofício Uma Vida e Seu Ofício (Thiago de Mello Por Erorci Santana Claridão e antem...
A Esmola de Dulce A Esmola de Dulce (Augusto dos Anjos) Ao Alfredo A. E todo o dia eu vou co...

Deixe uma resposta