Tu, Místico

Print Friendly, PDF & Email

Tu, Místico (Alberto Caeiro)

Tu, místico, vês uma significação em todas as cousas.
Para ti tudo tem um sentido velado.
Há uma cousa oculta em cada cousa que vês.
O que vês, vê-lo sempre para veres outra cousa.
Para mim, graças a ter olhos só para ver,
Eu vejo ausência de significação em todas as cousas;
Vejo-o e amo-me, porque ser uma cousa é não significar nada.
Ser uma cousa é não ser susceptível de interpretação.

Publicações relacionadas

Um homem pessimista Um homem pessimista (Bertold Brecht) Um homem pessimista É tolerante. Ele s...
Alucinação Alucinação (Cruz e Souza) Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas, Ondas em co...
Começa a ir ser dia Começa a ir ser dia (Fernando Pessoa) Começa a ir ser dia, O céu negro come...
Álvaro de Campos Álvaro de Campos (1889-1935) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: ...

Deixe uma resposta