Tu, Místico

Print Friendly, PDF & Email

Tu, Místico (Alberto Caeiro)

Tu, místico, vês uma significação em todas as cousas.
Para ti tudo tem um sentido velado.
Há uma cousa oculta em cada cousa que vês.
O que vês, vê-lo sempre para veres outra cousa.
Para mim, graças a ter olhos só para ver,
Eu vejo ausência de significação em todas as cousas;
Vejo-o e amo-me, porque ser uma cousa é não significar nada.
Ser uma cousa é não ser susceptível de interpretação.

Publicações relacionadas

Ambiciosa Ambiciosa (Florbela Espanca) Para aqueles fantasmas que passaram, Vagabundo...
Preceito 07 Preceito 07 (Gregório de Matos) Já pelo sétimo entrando sem alterar o ton...
Soneto da separação Soneto da separação (Vinicius de Moraes De repente do riso fez-se o pranto ...
Bilhete Bilhete (Mário Quintana) Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões, não fal...

Deixe uma resposta