Tu, Místico

Print Friendly, PDF & Email

Tu, Místico (Alberto Caeiro)

Tu, místico, vês uma significação em todas as cousas.
Para ti tudo tem um sentido velado.
Há uma cousa oculta em cada cousa que vês.
O que vês, vê-lo sempre para veres outra cousa.
Para mim, graças a ter olhos só para ver,
Eu vejo ausência de significação em todas as cousas;
Vejo-o e amo-me, porque ser uma cousa é não significar nada.
Ser uma cousa é não ser susceptível de interpretação.

Publicações relacionadas

La Saeta La Saeta (Antonio Machado) ¿Quién me presta una escalera, (Quem me empres...
Aurora Aurora (Adolfo Casais Monteiro) A poesia não é voz - é uma inflexão. Dizer,...
Preceito 09 Preceito 09 (Gregório de Matos) Do nono não digo nada, porque para mim é ...
Da inquieta esperança Da inquieta esperança (Mário Quintana) Bem sabes Tu, Senhor, que o bem melh...

Deixe uma resposta