Tu, Místico

Print Friendly, PDF & Email

Tu, Místico (Alberto Caeiro)

Tu, místico, vês uma significação em todas as cousas.
Para ti tudo tem um sentido velado.
Há uma cousa oculta em cada cousa que vês.
O que vês, vê-lo sempre para veres outra cousa.
Para mim, graças a ter olhos só para ver,
Eu vejo ausência de significação em todas as cousas;
Vejo-o e amo-me, porque ser uma cousa é não significar nada.
Ser uma cousa é não ser susceptível de interpretação.

Publicações relacionadas

Apocalipse Apocalipse (Augusto dos Anjos) Minha divinatória Arte ultrapassa os séculos ...
Retribuindo Retribuindo (Mário de Andrade) Por que os homens não me escutam? Por que os g...
Prendimiento de Antoñito El Ca... Prendimiento de Antoñito El Camborio en el camino de Sevilla (Federico Garcia Lo...
Canto de regresso à patria Canto de regresso à patria (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares ...

Deixe uma resposta