Aberração

Print Friendly, PDF & Email

Aberração (Augusto dos Anjos)

Na velhice automática e na infância,
(Hoje, ontem, amanhã e em qualquer era)
Minha hibridez é a súmula sincera
Das defectividades da Substância.

Criando na alma a estesia abstrusa da ânsia,
Como Belerofonte com a Quimera
Mato o ideal; cresto o sonho; achato a esfera
E acho odor de cadáver na fragrância!

Chamo-me Aberração. Minha alma é um misto
De anomalias lúgubres. Existo
Como o cancro, a exigir que os sãos enfermem…

Teço a infâmia; urdo o crime; engendro o iodo
E nas mudanças do Universo todo
Deixo inscrita a memória do meu gérmen!

Publicações relacionadas

Romance de la luna, luna Romance de la luna, luna (Federico Garcia Lorca) En la mitad del barranco la...
Aos Meus Filhos Aos Meus Filhos (Augusto dos Anjos) Na intermitência da vital canseira, Sois...
Idéias íntimas Idéias íntimas (Álvares de Azevedo) Fragmento La chaise ou je m'assieds, l...
Módulo de verão Módulo de verão (Adélia Prado) As cigarras começaram de novo, brutas e brutas...

Deixe uma resposta