Canção I

Print Friendly, PDF & Email

Canção I (Cecília Meireles)

Nunca eu tivera querido
dizer palavras tão louca:
bateu-me o vento na boca,
e depois no teu ouvido.

Levou somente a palavra,
deixou ficar o sentido.

O sentido está gravado
no rosto com que te miro,
neste perdido suspiro
que te segue alucinado,
no meu sorriso suspenso
como um beijo malogrado.

Nunca ninguém viu ninguém
que o amor pussesse tão triste.
Esta tristeza não viste,
e eu sei que ela se vê bem…
Só se aquele mesmo vento
fechou teus olhos, também…

Publicações relacionadas

Se Quiserem que Eu Tenha um Mi... Se Quiserem que Eu Tenha um Misticismo (Alberto Caeiro) ...
Esse Desemprego! Esse Desemprego! (Bertold Brecht) Meus senhores, é mesmo um problema Esse de...
Silêncio!… Silêncio!... (Florbela Espanca) No fadário que é meu, neste penar, Noite alt...
El alba denominadora El alba denominadora (Rafael Alberti) A embestidas suaves y rosas, la mad...

Deixe uma resposta