Canção I

Print Friendly, PDF & Email

Canção I (Cecília Meireles)

Nunca eu tivera querido
dizer palavras tão louca:
bateu-me o vento na boca,
e depois no teu ouvido.

Levou somente a palavra,
deixou ficar o sentido.

O sentido está gravado
no rosto com que te miro,
neste perdido suspiro
que te segue alucinado,
no meu sorriso suspenso
como um beijo malogrado.

Nunca ninguém viu ninguém
que o amor pussesse tão triste.
Esta tristeza não viste,
e eu sei que ela se vê bem…
Só se aquele mesmo vento
fechou teus olhos, também…

Publicações relacionadas

O Martírio do Artista O Martírio do Artista (Augusto dos Anjos) Olha agora, mamífero inferior, A ...
Gozo insatisfeito Gozo insatisfeito (Augusto dos Anjos) Entre o gozo que aspiro, e o sofrimento...
Afetos Afetos (Augusto dos Anjos) Bendito o amor que infiltra n’alma o enleio E san...
Bate a luz no cimo… Bate a luz no cimo... (Fernando Pessoa) Bate a luz no cimo Da montanha, vê....

Deixe uma resposta